3 Técnicas de PNL para desenvolver seu autoconhecimento

Descubra 3 técnicas de PNL altamente eficazes para fazer você se conhecer melhor e se tornar o protagonista da sua própria vida!


O autoconhecimento é uma das coisas mais importantes da vida humana e justamente por isso que entender compreender o que é e como desenvolvê-las é tão importante.

Nesse sentido, adquirir conhecimento e habilidade em técnicas de PNL para desenvolver o seu autoconhecimento é uma excelente escolha.

O conhecimento é a única coisa que você carrega dentro si, desde o seu nascimento até sua morte e que realmente pode fazer a diferença nesse “looping” da vida.  

Em outras palavras, essa gama de informações que conquistamos ao longo da história fica armazenado em nosso cérebro, enraizando todas as nossas percepções, convicções, valores, crenças, insights, experiências, formas de ver o mundo. 

Contudo, muito mais impactante do que o conhecimento geral, sobre a vida e sobre o mundo, é o conhecimento que você temos sobre nós mesmos. 

Se você conhece a si mesmo, mais do que qualquer outra coisa, sua vida será altamente impactada positivamente. É possível fazer o conhecimento trabalhar ao nosso favor. Mas, para isso, é preciso se conhecer antes. 

E como fazer isso?  Bom… Que tal começar a usar o seu cérebro?

Leia também

>> Autoconhecimento: O que é

Usando seu Cérebro para O Autoconhecimento e Mudança 

Pensando sobre seu cérebro, ajuda muito explicar que ele tem dois tipos de substâncias químicas. Boas e Más. E a beleza é que você precisa de ambas. 

Muito de uma resultará em ser excessivamente feliz ou, por outro lado, extremamente triste. Sabendo agora que seu cérebro possui essas substâncias químicas, você está ciente do fato de que o cérebro é bipolar por natureza. 

O bem não pode existir sem o mal. O preto não pode existir sem o branco. A esquerda não existe, pois não existe a direita.

Esse conceito também se aplica aqui. Pensamentos ruins levam a sentimentos ruins que, por sua vez, se transformam em produtos químicos ruins. 

Sua pressão arterial sobe, você começa a se sentir mal, alimentando o início do ciclo, potencializando os pensamentos ruins. Então, considerando isso, o oposto também é verdadeiro, certo? Bons pensamentos levam a bons sentimentos. 

Ações construtivas, sensação de estar orgulhoso de seus resultados contribuem para bons produtos químicos alimentando o início do ciclo novamente potencializando o progresso que você faz. 

Resumindo esta parte para você, pensamentos ruins, resultados ruins; pensamentos felizes, resultados felizes. Faz sentido para você? 

Conhece-te a ti mesmo 

Essa frase, inscrita à entrada do santuário de Delfos, na Grécia antiga, e difundida por Sócrates (470-399 a.C.), circula até hoje pelo Ocidente e o homem continua nessa eterna busca de conhecer a si mesmo para que essa prática o leve a ter controle sobre o “looping” que vivemos. 

Desenvolver sua inteligência emocional e maior empatia, ter habilidades de escuta, melhorar suas habilidades de pensamento crítico e tomada de decisão, aprender a entrar em contato consigo mesmo instantaneamente são recursos para o  Autoconhecimento. 

Leia também

>> O que é PNL: O guia definitivo

 

Bom, vamos às técnicas e aplicações! 

1. Mapa não é o território 

imagem ilustrativa de um mapa sendo feito por pessoas

Esse é um dos principais pressupostos da PNL e, entendendo esse conceito, você vai entender melhor o outro e a si mesmo para ter uma comunicação mais eficiente, premissa em qualquer interação. 

Essa frase significa que as pessoas em geral não têm acesso ao conhecimento absoluto da realidade, mas apenas possuem uma ideia desse conhecimento que é então filtrado pelas lentes de sua própria experiência. 

É importante que as pessoas saibam que sua compreensão das coisas, “o mapa”, não é uma representação verdadeira da própria realidade ou de tudo que é representado pela realidade,  “o território”. 

Por exemplo, sabe quando você vai fazer uma viagem e faz uma busca no Google e pesquisa sobre o local que você vai visitar, quais passeios vai fazer,  quais museus são os mais interessantes para ir,  lojas para fazer compras, restaurantes… e aí, quando você chega lá, é tudo diferente do que você viu e imaginou… para melhor ou pior, então, esse é o conceito de Mapa não é o território, o que você estava pesquisando era o “mapa” e aí quando chegou lá o “território”, a realidade, era diferente.  

Ficou claro o conceito? 

E como usar isso no seu dia a dia e provocar uma mudança para diminuição dessa discrepância entre percepção e realidade? 

Toda vez que você procurar entender o “mapa” do outro, uma transformação vai acontecer em você,  vai se tornar mais isento e imparcial. Na prática, quando você for conversar com o seu gestor no trabalho sobre algum tema que possa trazer algum desconforto, procure entender o “mapa” dele permita-se ter mais experiências, acumular vivências.

Dessa forma, é possível ingressar-se num crescimento contínuo e viver numa realidade que faz mais sentido. Esse é um contexto de subjetividade sem fim e o maior desafio talvez seja conduzir-se aos diversos territórios por meio dos seus próprios mapas, sem fugas. A caminhada é longa e vale à pena! 

2. Rapport 

imagem ilustrativa

Rapport na PNL é a habilidade de se relacionar com os outros de uma forma que crie confiança e compreensão. É uma conexão. É a capacidade de ver o ponto de vista do outro e fazer com que ele entenda o seu. Você não precisa concordar com o ponto de vista dele ou até mesmo gostar. Está relacionado com o que acabamos de ver sobre “Mapa não é o território”. Facilita qualquer forma de comunicação para ser mais assertivo e evitar desgastes. 

Confira 4 formas de aplicar essa técnica: 

 

  • Espelhe a linguagem corporal do seu interlocutor 

 

Quando estiver conversando com alguém preste atenção em como está a posição de seus braços e pernas e faça algo similar, de forma natural. Não tente imitá-lo para não ficar óbvio que o está imitando, mas crie uma conexão por meio do corpo.

  • Acompanhe e simule o mesmo ritmo de respiração da pessoa

Procure respirar da mesma forma que a pessoa com quem você está conversando. Funciona muito bem porque, indiretamente, isso transmite à pessoa que você sabe como ela está se sentindo. Temos uma tendência a nos “abrir” mais em uma conversa com quem nos entende e sente o mesmo que nós. E é exatamente isso que Rapport faz.

  • Acompanhe a linguagem 

Use palavras parecidas ou até, as mesmas, que a pessoa está usando na sua conversa  para ela se conectar mais rápido a você. Simples assim! 

 

  • Acompanhe as ideias, crenças e valores

 

Tente compreender genuinamente as ideias, crenças e valores da outra pessoa, sobre o assunto que vocês estão conversando, sem julgamento. Isso pode criar um relacionamento muito profundo. Mais uma vez, você não precisa concordar com o outro ou mudar nenhum de seus próprios valores; o objetivo é entender.

3. Posições Perceptivas 

De acordo com a PNL, é interessante aumentar a percepção a respeito do outro.  Cada ponto de vista está associado a ele um modelo mental – filtros, suposições, valores, crenças e estratégias de pensamento que se usa para abordar um determinado contexto. Para conhecer outros ponto de vista, é necessário sair do seu próprio – tarefa muito desafiadora, por sinal. Fazendo isso, você pode entender melhor o significado de um comportamento, seu ou de outra pessoa, desde o contexto que ele foi gerado. Em uma conversa mais acalorada no trabalho ou em casa, aplique essa técnica: 

  • Entre na 1ª posição – é estar associado ao contexto e vemos as coisas do nosso próprio ponto de vista;
  • Entre na 2ª posição –  é nos dissociarmos de nós mesmos e imaginarmos que estamos no corpo da outra pessoa, vendo, ouvindo e sentindo a experiência que ela está tendo sobre o que conversamos;
  • Entre na 3ª posição – é sermos um observador atento e independente para podermos observar com clareza a interação entre a outra pessoa e eu , como se estivéssemos sentados em uma poltrona confortável do cinema, assistindo àquela cena no telão. 

Infográfico falando das três posições da PNL

Por último, mas não menos importante, lembre-se de usar essas técnicas de forma adequada e com respeito genuíno por todas as pessoas com quem interage. Lembre-se também de estabelecer seu objetivo de forma clara. Sem saber o que quer, você não sabe o que faz e, portanto, seu objetivo não existe. 

Dessa maneira, você estará desenvolvendo o Autoconhecimento e nós da SBPNL vamos treiná-lo sobre essas técnicas e muitas outras!

banner