RESILIÊNCIA: O QUE É E COMO DESENVOLVER A SUA

Descubra tudo sobre resiliência e como desenvolver essa habilidade capaz de nos salvar nos momentos de crise!


Com certeza você conhece alguém resiliente. Sabe aquelas pessoas que parecem ser inabaláveis e que sempre andam de cabeça erguida, independente da situação que tenham passado ou estejam passando?

 É o tipo de pessoa que nos faz auto questionar “como ele consegue? Não sei se eu aguentaria…”.

Quando tentamos explicar o que é ser resiliente ou como se tornar uma pessoa mais resiliente, precisamos compreender que a resiliência é algo que todos os seres humanos têm potencial para desenvolver. 

É verdade que o ser humano sempre teve seus conflitos, dúvidas, alegrias, tristezas e uma multiplicidade de situações para enfrentar seu tempo de estada por esse planeta terra. Cada ser humano carrega em si um universo particular e único, e é necessário que ele consiga se equilibrar com todos os outros universos únicos. 

Como caminhar entre o emaranhado de situações que surgem diariamente, diante de tamanho desafio sem se desequilibrar, sem ser resiliente? Como se manter de cabeça fresca, no controle, sem perder as rédeas das próprias emoções e atitudes?

Por que eu deveria desenvolver minha resiliência?

O que fazer para se redesenhar a cada instante e tomar novo formato a fim de se encaixar nos vários universos que surgem após ondas de crises, perdas e situações adversas?

Uma pandemia, por exemplo, veio para testar a resiliência de muitas pessoas. Procuramos entender e descobrir como se adaptar à uma crise que não apenas mudou a economia e o estilo de vida no Brasil, mas do Mundo? 

Hoje se fala de um “novo normal”. Segundo o Olhar Digital, no Brasil apenas 39% das mulheres faziam compras online em 2018 e na pandemia esse valor foi para 70%.

Ou seja, a forma de compra mudou, a educação mudou, a maneira de empreender mudou e a internet que já era altamente necessária, se tornou indispensável. 

Nesse processo, pessoas perderam seus empregos e alguns cargos deixaram de existir. E então as pessoas precisaram se reinventar urgentemente. 

E esse é o maior motivo do porquê você deve procurar desenvolver sua resiliência: ser resiliente é uma questão de sobrevivência, de saúde e de qualidade de vida. 

Dessa maneira, saber voltar ao estado de equilíbrio e paz natural após ser exposto por acontecimentos, notícias e situações altamente estressantes é indispensável para se manter nesse mundo vivendo de maneira saudável e feliz.

Então aprenda o que é resiliência e como desenvolver essa habilidade capaz de te salvar nos momentos de crise.

Continue lendo, entenda tudo sobre e saiba como a Programação Neurolinguística pode te ajudar com isso.

O que é resiliência

um infográfico com as características da resiliência

Ser resiliente nada mais é que a capacidade de se moldar e se adaptar às situações que surgirem, de maneira que as crises e as rasteiras da vida tenham um impacto mais positivo e produtivo em nossa evolução pessoal. 

Na física, resiliência é um termo utilizado para determinar objetos que, mesmo quando são submetidos a estresse, não se quebram, como as molas; e/ou que se moldam às diversas situações que são expostas, como a água.

Quando se trata da resiliência humana, portanto, podemos utilizar esse sentido da física como uma analogia. 

Dessa maneira, o conceito de resiliência é determinado pela habilidade que algumas pessoas têm de de se manterem ou voltarem rápido ao seu estado original de paz e equilíbrio ao passarem por situações de estresse, bem como a capacidade de se adaptar às diversas situações, utilizando esses acontecimentos como aprendizados e oportunidades.

A resiliência e a evolução humana

a evolução do homem

Pense na evolução das espécies. 

O que fez o ser humano chegar onde ele está? Do reino animal, não somos os mais velozes, nem os mais fortes, nem os mais venenosos; não temos habilidades naturais de voar ou suportar o fundo do mar. Como então conquistamos o domínio das espécies? 

Não se conhece nenhuma outra espécie que apesar de não ter a habilidade natural de voar, ainda assim consiga voar; que apesar de não ter muita força física, são capazes de construir arranha céus; que apesar de não ter uma camada grossa de pelos, suportam frios congelantes. 

A questão é, muito da evolução se deve à resiliência. 

Quando você aprende a criar casacos de pele que te possibilitam a viver no frio congelante do Alaska sem congelar; a perambular no calor abissal do deserto do Saara sem morrer; quando se aprende a caçar com armas e a cultivar seu próprio alimento… você reina. 

A verdade é que ser resiliente tem muito a ver com ser inteligente. 

Aprender com a adversidade e se ajustar de maneira inteligente  à ela. Ser criativo na solução de problemas, ter pensamentos proativos, não reativos; buscar soluções efetivas ao invés de reclamar… tudo isso foi necessário para que o ser humano estivesse onde ele está hoje. 

Sendo assim, podemos dizer que ser resiliente é ser adaptável, não apenas no sentido de “se acomodar” a uma situação, mas também no sentido de se pôr de pé e agir ativamente diante das situações adversas da vida. 

Benefícios de ser resiliente

um flor nascendo entre o aslfato rachado

Ser resiliente traz grandes benefícios. 

Do sucesso nas finanças até a qualidade de seus relacionamentos. Ser resiliente pode afetar tudo. 

Isso acontece porque pessoas resilientes vivem de um jeito diferentes, elas são capazes de gerir tão bem a si mesmas que se tornam capacitados a também pensar e agir diferente. 

Essas pessoas conseguem parar, prestar atenção ao ser redor, pensar racionalmente, dominar suas emoções e sentimentos, fazer as escolhas certas e ter a calma para esperar e aprender com as situações das quais elas não têm controle. 

Por esses motivos, ser resiliente traz inúmeros benefícios, como:

  • Manter a calma em momentos de crise
  • Pensar logicamente diante de situações emocionais
  • Gerenciar os próprios pensamentos para que eles não se alterem diante de sentimentos como medo, incapacidade e raiva;
  • Fazer escolhas mais inteligentes; 
  • Errar menos;
  • Passar por situações altamente estressantes sem se abalar;

Como saber que sou resiliente? 

tabuleiro com apenas uma peça de pé

Sabia que você pode desenvolver ou aprimorar sua resiliência? 

Imagine alguma situação estressante, com um chefe, colega de trabalho, com seu cônjuge ou filho, por exemplo…

Como você se sentiria passando por essa conversa acalorada ou com esse feedback duro de receber? 

Você sente raiva, mágoa, confusão ou tranquilidade e paz? Quais sentimentos esses acontecimentos têm gerado dentro de você? 

Reflita por alguns instantes e responda sinceramente: como você tem agido diante deles no dia a dia?

Com violência e agressividade ou com tranquilidade e agilidade? Você tem ficado estagnado, reclamando ou levantado a cabeça e procurando melhores soluções?

Talvez você exploda e acabe sempre entrando em brigas desnecessárias, algumas até com xingamentos?

Pessoas que não são resilientes espanam com facilidade. Sabe aquela panela de pressão apitando, louca para explodir? Ela precisa do escape para suportar a pressão que se forma dentro de si. 

Todos nós somos como essa panela de pressão e todos temos potencial para suportar, bem como para explodir. 

Pessoas que não são resilientes racham, quebram, desmoronam, explodem e ficam assim a vida toda. São pessoas:

  • Que reclamam o tempo inteiro;
  • Não fazem nada para mudar sua situação atual;
  • Colocam a culpa das coisas nos outros, ao invés de buscar soluções inteligentes; 
  • Permitem que sentimentos de mágoa, raiva e vitimismo os afastem de relacionamentos saudáveis;
  • Se desesperam diante do desafio.

Características de pessoas resilientes

Por outro lado, pessoas resilientes possuem características marcantes, que fazem toda a diferença em sua qualidade de vida, equilíbrio emocional e até mesmo  psicológico.

Gerenciamento de emoções

mulher meditando no trabalho

Gerenciar uma emoção nada mais é que a habilidade de não perder o controle diante de situações estressantes, além de ser capaz de se manter tranquilo. 

Pessoas resilientes sabem administrar bem suas próprias emoções, de maneira que nos momentos de adversidade, de conflitos e situações que geram ansiedade, medo, tristeza, raiva e outros sentimentos muito intensos, permanecem o equilíbrio e a saúde.

Otimismo

uma folha escrito im/possível

Pessoas resilientes são otimistas na crença de que é possível vencer e superar obstáculos com calma, persistência e inteligência. 

Isso se dá até mesmo pelo conceito de resiliência que é ter a capacidade de moldar-se às situações e passar por elas sem perder o controle.

Empatia

mãos dadas

Pessoas resilientes julgam pouco. Conseguem se colocar no lugar do outro de maneira que conflitos com outras pessoas se tornem um ambiente de abertura para conversa, não desentendimento e discussões sem fim. 

A empatia não é apenas algo moralmente louvável, como também uma ferramenta estratégica para a auto-evolução.. 

Conceitos de PNL como “o mapa não é território” e “toda intenção é positiva” são  exemplos claros de desenvolvimento de empatia. 

Quando você entende que o mundo do outro é imenso e que o que você vê dele é apenas um pedacinho pequeno desse território, começa a pensar duas vezes antes de julgar, de discutir, de ofender ou brigar. 

Autocontrole

uma mulher encarando doces

Todos temos impulsos. O medo gera a vontade de fugir. A ansiedade pode gerar a necessidade de comer. A raiva muitas vezes acaba em explosões de agressividade e a tristeza, em lágrimas.

Isso é normal e humano, contudo, você já viu aquelas pessoas que se irritam por tudo, comem descontroladamente, choram por qualquer coisa ou fogem à vista do primeiro obstáculo? 

São pessoas com baixo controle de seus impulsos. Elas acabam permitindo que suas emoções tomem as rédeas de suas ações. Contudo, pessoas resilientes, que dominam suas emoções, também se tornam capazes de controlar seus impulsos.

Dessa maneira, elas passam por situações de ansiedade, medo, raiva e qualquer outra situação que cause estresse sem entregar suas ações à esses sentimentos. 

Elas conseguem passar pela ansiedade e manter-se firme numa dieta equilibrada; conseguem sentir medo e ainda assim encararem a situação; elas sentem raiva, obviamente, contudo, pensam logicamente, evitando brigas e confusões. 

Autoestima equilibrada

uma balança com "eu posso" "eu não posso"

A resiliência além de gerar empatia, também tem o poder de alimentar uma autoestima equilibrada. Pessoas com alta resiliência ao se depararem com um desafio não pensam que não conseguem, ao contrário disso, são conscientes de sua própria capacidade e traçam meios de se capacitar ainda mais, ao invés de buscarem a fuga ou os sentimentos de derrota que uma baixa autoestima pode causar. 

Os 4 Domínios da Resiliência

infográfico - os 4 domínios da resiliência

A vida humana pode ser dividida em 4 esferas: física, mental, emocional, espiritual. 

Na verdade o ser humano é único, todas essas esferas se conectam e se influenciam, contudo, é possível ser muito resiliente fisicamente e pouquíssimo resiliente emocionalmente. 

Então vamos entender cada uma delas.

  • Mental

Pessoas mentalmente resilientes possuem foco, são capazes de pensar logicamente e racionalizar. Dessa maneira, são hábeis em se comunicar, sempre preferem a conversa e a resolução de conflitos, do que simplesmente discutir e brigar. 

Também compreendem que tudo tem múltiplos pontos de vista, flexibilizam sua mente para compreender o mundo do outro. Aplicar o Rapport, por exemplo, é um exercício de PNL que ajuda a desenvolver resiliência mental. 

Ou seja, ser resiliente não é apenas saber lidar com situações difíceis, mas também saber lidar com situações e pessoas diferentes e inesperadas, adaptando-se da melhor maneira à elas. 

  • Espiritual

Pessoas espiritualmente resilientes possuem alto compromisso com seus valores pessoais

Não se trata apenas de questões religiosas como também de valores morais e éticos. 

Além disso, são pessoas altamente tolerantes com valores e crenças dos outros, por mais diferente que sejam de suas próprias crenças e entendimentos. 

  • Emocional

Já é comprovado cientificamente que a emoção é a parte do ser humano que mais consome energia. São chamados de sugadores de energia vital os sentimentos que consomem de maneira drástica nossa vitalidade. 

Sentimentos como tristeza, raiva ou ódio, mágoa, ansiedade, inferioridade, incapacidade e frustração são exemplos clássicos e objetivos de emoções que nos esvaziam. 

Quando isso acontece, comportamentos desequilibrados são gerados como a:  

  • agressividade; 
  • sono excessivo ou preguiça;  
  • pânico, roer de unhas, insônia; 
  • autoestima baixa, pessimismo e fobias; 

Dessa forma, pessoas emocionalmente resilientes são capazes de lidar com seus sentimentos negativos com equilíbrio e autoconfiança, bem como percebem as coisas de uma maneira mais positiva, buscando não a fuga e sim a solução; procurando perceber as oportunidade que podem surgir do inesperado e fazer uso delas para seu benefício próprio e de terceiros.

Por isso entende-se que pessoas resilientes emocionalmente são capazes de cuidar e gerir de maneira mais equilibrada sua vida como um todo e isso impacta em todas as outras esferas de sua vida.

  • Físico

Já as pessoas com alta resiliência física são pessoas que se adaptam bem a rotinas de treinos pesados, tem flexibilidade, força e resistência física. 

Aqui é importante fazer um adendo, essas quatro esferas do ser humano são integradas entre si. 

Dessa maneira, facilmente a esfera emocional pode interferir na esfera física, mental ou espiritual. 

Faça esse exercício

Imagine que você é um atleta e torce o tornozelo um mês antes de uma corrida que você está se preparando há muito tempo.  Se nesse período de um mês seu corpo for forte e capaz de reverter a situação da torção e entrar firme na corrida, suas emoções se encherão de alegria e sentimentos de conquista. 

Mas, imagine que você não torceu e sim quebrou o tornozelo e além de precisar fazer uma cirurgia, você não vai poder pisar no chão pelos próximos 6 meses, quem dirá correr.

O que isso pode gerar dentro de você? Tristeza, angústia, raiva… talvez?

Esse é um exemplo clássico de como o físico pode abalar seu emocional.

Da mesma maneira, uma briga com alguém que você ama pode atrapalhar sua concentração e seu rendimento e produtividade no trabalho. 

Ou a perda de alguém querido ou uma doença inesperada podem abalar sua fé.

Levando em consideração então que somos esse conjunto composto de mente, emoção, espírito e corpo, e que a resiliência tem poder transformador sobre todas elas, vamos ver como desenvolver sua resiliência!

Como desenvolver a sua resiliência 

Entendendo como a resiliência (ou sua ausência) pode afetar todas as áreas da vida humana, sua importância e seus benefícios práticos são inúmeros. 

Então, a única pergunta que resta responder é: como desenvolver a habilidade de passar pelas crises quase que de maneira inabalável?

Vamos dar dicas práticas que podem te auxiliar nessa jornada rumo à resiliência.

  • Pare e Preste atenção

olhos

Um dos maiores desafios do homem atual é frear a necessidade de controle. Por conta de questões até mesmo evolutivas sentimos essa necessidade de ter o mínimo de controle sobre tudo. 

Dessa forma, quando nos deparamos com questões das quais não temos controle ou simplesmente não compreendemos, situações que nos fazem perguntar “por que eu!?”, buscamos dar a essas questões significados que façam algum sentido para nós. 

Isto é, quando as crises surgem queremos e tendemos a fazer de tudo para que isso mude. Nós não recebemos os acontecimentos, nós reagimos a eles. Contudo, o ideal é que seja o contrário. 

Quando uma situação adversa surge é preciso parar e prestar atenção no que está acontecendo.

O propósito de fazer isso se dá pelo fato de que não existe resiliência sem esse momento. 

É nesse momento de parar que você poderá respirar fundo e se conectar com sua voz interior, mudar sua conversa mental para uma que te ajude em processos de reequilíbrio. 

Pessoas resilientes têm essa habilidade de parar, calar, silenciar para receber as coisas como elas são e a partir daí, reformular suas vidas.

  • Pense racionalmente

uma balança racional vs emocional

Depois que você percebe as situações, é preciso também que você mude sua voz interior. 

Pessoas resilientes possuem pensamentos positivos, mas não só isso. Essas são pessoas que pensam com clareza e objetividade e equilibram isso tudo com sensibilidade humana. 

Pensar racionalmente evita mágoas, rancor, raiva, inveja e sentimentos causados por medos e traumas, bem como aqueles que controlam pensamentos mentirosos, como aqueles que reprimem nossas emoções.

Sendo assim, a resiliência não se trata de ser racional e reprimir as emoções. Trata-se da capacidade de equilibrar essas duas áreas. 

Leia também

>>> Como se tornar uma pessoa mais resiliente

  • Domine seus sentimentos 

figura decorativa

Já falamos nesse artigo que o autocontrole é um atributo característico de uma pessoa resiliente e dominar seus sentimentos e emoções é uma das coisas mais importantes. Isso porque a mudança de pensamento antecede a mudança de comportamento.

Portanto, quando você compreende o que está acontecendo e tem domínio sobre seus pensamentos, você começa seus comportamentos quase que de maneira naturalmente. 

Algumas pessoas com muita inteligência emocional parecem que nasceram com essa habilidade, porém outras precisam de um certo esforço para obtê-la.  

Pensamentos como “você não vai conseguir” começam a ser substituídos por “eu sou capaz, então vou traçar um plano estratégico para conseguir isso”.

E aqui está uma das coisas mais importantes para a vida humana, ser capaz de dominar nossos sentimentos de medo, raiva, mágoa, insegurança, abandono, inveja, ciúme e tantos outros que podem nos atrapalhar e até mesmo os bons sentimentos, como a paixão e alegria. 

Dominar nossos sentimentos é uma maneira inteligente e lógica de pensar e caminhar para o próximo passo da resiliência.

A palavra tem poder sobre o seu sucesso ou fracasso. Por esse motivo, mudar seu vocabulário pode ser tão eficaz no processo da resiliência.

  • Faça as escolhas certas

lampadas

Pessoas resilientes fazem boas escolhas. Perceba que é um processo natural. Quando paramos de reagir aos acontecimentos e passamos aà recebê-los, aprendendo com eles, passamos a dominar nossas emoções e pensamentos de maneira mais racional. 

Fazer boas escolhas é uma consequência direta de quem está com a cabeça no lugar. De pessoas que estão calmas, equilibradas e preparadas para escolher sabiamente. 

É claro que em algumas escolhas são como tiros no escuro, se  foi uma boa escolha ou não, somente o tempo diz, contudo as chances de se acertar sendo resiliente é muito maior do que debaixo de emoções desenfreadas como medo, ansiedade e até mesmo paixão. 

  • Acalme-se e Aprenda

um nó se resolvendo

Além de fazer boas escolhas, pessoas resilientes acabam “sofrendo” menos. Como as coisas estão sob controle dentro delas, a calma diante das situações das quais elas não tem controle se mantém. 

Além disso, elas sabem que tudo pode servir de aprendizado. Os erros, as perdas, as vitórias. Toda e qualquer situação que o ser humano enfrenta gera para ele uma espécie de “biblioteca interna”. 

Vamos utilizar o fogo como analogia. 

Quando nos deparamos com o fogo, sabemos automaticamente que aquilo queima e que queimar não apenas dói, como pode destruir um membro e até levar à morte. Esse “saber” nos repele automaticamente do fogo caso haja muita aproximação. 

Na infância precisávamos que nossos pais ou tutores nos afastasse do perigo, não sabíamos o poder destrutivo e doloroso da maioria das coisas. Muitos de nós não precisamos nos queimar para entender como o fogo é perigoso. 

A verdade, porém, é que só descobrimos e compreendemos verdadeiramente sobre o “poder do fogo” quando estamos perto o suficiente para sentir seu calor. 

No fim são sempre dois caminhos: passar pelas situações e continuar o mesmo; passar pelas situações e aprender algo de valor com elas. 

Passar por momentos dolorosos, de ansiedade e tristeza todos passarão, contudo só saem de pé dessas situações quem se acalma e se propõe a aprender com cada uma delas.

Está gostando desse artigo?

Aprenda um pouco mais sobre resiliência com a nossa especialista da Casa Rebeca Fisher!

Conclusão

A verdade é que as situações adversas têm tanto poder para nos ensinar, como para nos destruir. 

Portanto, ter resiliência se trata de compreender que ter esse poder de aprendizado e desperdiçá-lo não é o mais inteligente. 

Não seria nada sábio escolher colocar o dedo no fogo após ser queimado por ele. Pessoas resilientes são assim. Muitas situações adversas na vida são inevitáveis e machucam, contudo, pessoas resilientes aprendem com essas situações e conseguem utilizá-las como trampolim para sua evolução pessoal, da mesma maneira que utilizamos o fogo que machuca para nos aquecer e preparar nosso alimento.

A escolha de como vamos lidar com as situações está em nossas mãos e ser resiliente é uma maneira ótima de lidar e aproveitar todas as situações da vida da melhor maneira possível.

Aproveite e confira o curso online O Poder da Resiliência e aprenda técnicas altamente eficazes de PNL que irão auxiliar você nessa caminhada, rumo a uma vida mais equilibrada e fortalecida.banner - o poder da resiliência.